Artigos

DDGS na Nutrição Animal

28/02/2021

DDGS na Nutrição Animal

O DDGS (Grãos seco de destilaria e solúveis) é um coproduto da produção de etanol a base de milho, e muito tem-se falado dele nos últimos anos, principalmente na bovinocultura, onde a matéria prima agrega bastante nutricionalmente e economicamente, ainda mais se falarmos em confinamentos ou Terminações intensiva a pasto (TIP). No entanto, o DDGS pode ser adaptado a suínos e aves, principalmente como alternativa parcial a soja e milho devido os altos valores observados no mercado.

A cana-de-açúcar representa hoje 95,2% da produção de etanol, e a produção com o milho corresponde a 4,8%. A União Nacional do Etanol de Milho (Unem), estima que na safra 2029/2030, o etanol de milho alcançará uma produção de 8 bilhões de litros, o que representa 19 milhões de toneladas de milho processadas. Para cada tonelada de milho processada, 28,5% de coprodutos são produzidos, o que resulta em 5,4 milhões de toneladas de DDG estimadas para a safra 2029/2030.

Os níveis nutricionais podem variar bastante dependendo do tipo e cultivar do grão, da época do ano, da região, do ponto da colheita, adubação, etc. Mas, de forma geral, o DDGS apresenta de 25% a 32%PB, 38% a 45% de FDN, 8% a 12% de lipídios, sendo 80% de ácidos graxos insaturados, melhorando a composição química do leite, apresenta ainda de 85% a 90% de NDT ( Ruminantes ), para aves e suínos, apesar de apresentar um melhor perfil aminoácidico, deve-se tomar cuidado com a lisina e metionina.

 

                                               Teor de Aminoácidos essenciais (%) do DDGS, F. de soja e Milho
Aminoácidos                       Milho¹                                                      F. de Soja ¹                                                    DDGS Milho²
Arginina                               0,37                                                           3,35                                                                 1,13
Histidina                              0,24                                                           1,20                                                                 0,80
Isoleucina                            0,26                                                           2,13                                                                  1,34
Lisina                                    0,23                                                          2,80                                                                 0,97
Metionina                            0,16                                                          0,61                                                                   0,77
Fenilalanina                        0,37                                                          2,34                                                                   1,70
Treonina                              0,31                                                           1,78                                                                   1,32
Triptofano                           0,06                                                          0,64                                                                  0,26
Valina                                   0,36                                                          2,22                                                                   1,75
Leucina                                0,95                                                          3,51                                                                    4,63
                                             Fonte: 1 = adaptado de Rostagno et al. (2017), 2= OPTA Alimentos

 

Em suínos pode ser incluído até 30% na creche sem comprometer o rendimento, e até 50% de inclusão para suínos em crescimento, porcas em gestação e lactação. Já em aves deve-se tomar maiores cuidados, sendo indicado no máximo 6% na fase inicial e 15% no crescimento e terminação, repito, de olho na lisina e metionina, aminoácidos limitantes. Para bovinos, o alto teor de FDN auxilia na motilidade ruminal, salivação, fonte de proteína não degradável no rúmen (PNDR) entre outros benefícios para os ruminantes. Em animais de companhia pouco se tem estudado sobre a utilização do DDGS.

Nos Estados Unidos, que utilizam como principal fonte de etanol o milho, se fala ainda de grãos secos de destilaria de alta proteína (HPDDG), grãos de destilaria úmidos com solúveis (WDGS) e grãos de destilaria úmidos de alta proteína (HPWDG).

Voltar

Cadastre-se e receba nossas artigos e atualizações.